domingo, 24 de outubro de 2010

Triste Nação!!

O mundo que não colhe a sabedoria da arte
É tolo, é frágil, medíocre.
A guerra pela paz sangra famílias
Mata filhos, netos, amigos.
Uma nação que não anda de mãos dadas
Ecoa o sentimento do ódio, da revolta, do rancor.

Lutar pelo bem carregado de ódio,
É levar munição para o inimigo.
Injustiçados que não veem o pôr-do-sol
Ocupam o lugar dos vilões de gravata.

No mundo de rebeliões por nada
O que se deve ser feito foi esquecido.
Braços cruzados de uma população que só reivindica seus direitos em pensamento.
Enjaulados em seu próprio lar,
Com medo da polícia, da rua, de tudo.

Não ter aonde ir quando se quer ir a qualquer lugar,
Não ter medo do que parece inofensivo,
Criamos a imagem daquilo que não vemos,
Tentando fugir de algo que não sabemos.

A luta do silêncio vivo, contra a palavra de quem ta morto.
Ninguém escapa, ninguém escolhe, ninguém almeja.
A diferença entre prática e noção é o pavio curto de quem puxa o gatilho.

Já não bastam palavras, já não bastam canções.
O homem enraizado a ser subjugado, a ser traído,
a ser cúmplice do que não quer ser.
Violentada e ferida, uma nação sem escolha.

Entre becos, pelas ruas, nas estradas,
Escravos da pobreza que mata, bandidos da fome,
Crianças que já nascem sem nome e viram homens sem lei.

Viver no limite do mundo, cegos, surdos e mudos.
Obrigados a ser aquilo que não são.
Triste mundo. Triste nação.

Não somos mais, nem tão pouco menos,
Somos iguais... Diferentes cores, raças e classes,
E quem reluta em acreditar nisto está a um passo do abismo da própria solidão.

Bons Ventos!!
Tchau.

Zélio Marulo Jr.

"Eu não sei muita coisa, mas tenho a meu favor tudo aquilo que não sei"
(Clarice Lispector)
# Compartilhar: Facebook Twitter Google+ Linkedin Technorati Digg

16 comentários:

  1. muito bom o texto...palavras precisas...

    ResponderExcluir
  2. eu gostei muito, traz boas ideas e reflexões certeiras, porém, é muito grande, e fica um pouco cansativo
    mas continue assim

    ResponderExcluir
  3. Conturbadoramente reflexivo. Me fez lembrar de um livro do Zuenir, chamado '1968 - o q fizemos de nós'. Não pelo livro em si, mas por ver no q nos tornamos com o passar da história. Nos venderam q "só reivindica seus direitos em pensamento" e estamos pagando caro por essa mentira porque talvez não seja mais tão mentira assim...

    bjohnny!

    ResponderExcluir
  4. "Já não bastam palavras, já não bastam canções.
    O homem enraizado a ser subjugado, a ser traído,
    a ser cúmplice do que não quer ser.
    Violentada e ferida, uma nação sem escolha."

    Gostei do que você disse... aliás, vc tem uma escrita MUITO parecida com a minha.
    Eu também não entendo guerras em busca de paz, preconceitos e como o mundo anda tão mediocre cada vez mais... enfim. É triste.

    Ótimo o texto.

    ResponderExcluir
  5. "A guerra pela paz sangra famílias
    Mata filhos, netos, amigos."

    Queremos paz e a buscamos com guerra. É mais um sinal de quão é contraditório o ser humano. As suas palavras mostram a realidade, mostram de fato em qual nação vivemos... uma "triste nação!"

    Zélio, querido, com é bom saber que o que eu escrevo te agrada. Realmente, como já falei, meu dias estão bem agitados. Quase não tenho tempo para pensar em algo para escrever. Desculpe, mais uma vez, a minha ausência. Mas sempre que puder passarei por aqui. Adoro ler as suas reflexões!

    Tenha uma excelente semana.
    Sinta-se abraçado!

    ResponderExcluir
  6. Não é a primeira vez que passo por aqui e me empolgo com o teor crítico das palavras, a força da mensagem, a provocação sugerida e a reflexão gerada! Ótimo!

    ResponderExcluir
  7. É realmennte so reivindicamos em pensamentos,muitos sabendo o q é o melhor,saber o q tem q fazer e fica calado com medo,acoado...Foi sempre assim,onde so os q colarinhos brancos é q ditam as ordens...
    Mais uma vez meus sinceros parabéns,muito bom,bbom mesmo abração..

    Thiago Ribeiro.

    ResponderExcluir
  8. Uma poesia critíca com um tom de protesto singular. Muito bom.
    É exatamente isso, as guerras dominam o mundo e esse esquece-se da poesia e do que é bonito e importante. As pessoas se tornaram violentas e se esqueceram do amor. Quase ninguém entende as diferenças e quem entende não tem escolhas.

    ResponderExcluir
  9. Belíssimo texto,concordo com você ,eu também não entendo o fato de queremos a paz e buscarmos ela através da guerra,e sim,vivemos em uma triste nação,em que todos somos iguais mesmos assim muitos não aceitam o outro.
    Gosto muito dos teus textos,cada vez melhores.

    ResponderExcluir
  10. Adorei o que vc escreveu. Bem reflexivo e bem escrito. Acho que as pessoas ainda não descobriram a forma correta de se lutar pelo que quer e pelo que é melhor para o povo.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  11. Gostei muito. Sábias palavras.
    "Lutar pelo bem carregado de ódio,
    É levar munição para o inimigo."
    Faço coro!
    Abraço e obrigado pela visita!

    ResponderExcluir
  12. Gostei da parte: "Enjaulados em seu próprio lar, Com medo da polícia, da rua, de tudo. " Você tem razão e por isso é tão difícil ter amigos de verdade, curtí-los e está até difícil para amar.

    O sonho de curtir o por-do-sol ao lado da namorada precisa muito planejamento sobre segurança hoje em dia. =/

    Grande abraço! =)

    http://neowellblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  13. Lindo post.Adoro poemas críticos.Parabéns!!

    ResponderExcluir
  14. "Não ter aonde ir quando se quer ir a qualquer lugar,
    Não ter medo do que parece inofensivo,
    Criamos a imagem daquilo que não vemos,
    Tentando fugir de algo que não sabemos."

    Muito booom, muito mesmo ^^

    ResponderExcluir
  15. Como sempre, você tão genial! Descrevendo a realidade com palavras tão exatas.

    Concordo com cada palavra, com cada letra.
    E adiciono que guerra é diferente de luta.
    A Guerra pela Paz é injusta e sem sentido; só gera mais ódio e mais guerra. Mas a luta é importante. A luta diaria, ardua. A luta que não derrama sangue; mas que constrói pensamentos.

    Até quando seremos escravos de nós mesmos?
    Beijão

    ResponderExcluir
  16. Se obrigar a ser aquilo que não se é,na verdade é apenas consintir em ser aquilo que secretamente muitos querem ser:apenas mais um...Estamos todos no limete do mundo,no liemite de nós mesmo,e isso é inevitavel.

    Excelenteesse texto,consistente e reflexivo como deve ser.

    Obrigada pelo comentario inteligente que deixou no meu e espero que continuei lendo,pois certamente continuarei a ler o seu,muito bom mesmo!

    ResponderExcluir

 
Copyright © 2013 INOPORTUNO